Hannah Gadsby, Nanette

Netflix

Se você tem Netflix, ama stand-up ou adora acessar as redes sociais, já deve ter se deparado com Nanette.

Nanette é um stand-up reinventado por Hannah Gadsby, uma australiana que não conta apenas piadas na frente do público, mas que faz um alerta às questões sobre gênero, sexualidade, bullying e muitas outras, das quais, ela mesma já deixou de ver, digamos, graça.

Durante 1 hora e 9 minutos, Hannah prende o telespectador de uma tal forma que é impossível não deixar de falar sobre o stand-up. E, assim como nós, do E! Online Brasil, você também precisa assistir Nanette.

E aqui estão os motivos:

Premiações

Nada mais justo que mostrar todo o reconhecimento de Nanette.

Hannah, que nasceu na ilha australiana Tasmânia, onde a homossexualidade era crime até 1997, já ganhou diversos prêmios com o stand-up, incluindo Melhor Show de Comédia no Edinburgh Festival Fringe 2017; Prêmio Barry por Melhor Show no Melbourne Comedy Festival 2017; e Melhor Performance de Comédia no Helpmann Awards 2017.

O stand-up entrou para a grade do Netflix em Junho deste ano.

Pare e pense!

Hannah, que escolheu o nome do stand-up após conhecer uma garçonete chamada Nanette em uma pequena cidade, foca em um ponto importante da comédia e na qual ela gostaria de abandonar: a de se inferiorizar para fazer os outros rirem.

E o motivo? Hannah é lésbica e não deseja mais que a vítima pense que ela é muito menor do que isso, quando, claro, ela não é. "Você compreende o que é autodepreciação significa quando vem de alguém que já é marginalizado? Não é humildade, é humilhação", diz ela no show.

A comediante explica que não pode mais se sujeitar a isso. "Nem comigo, nem com ninguém que se identifica comigo". Para Hannah, o importante é contar a história dela do jeito certo, sem mais como um preconceito mascarado.

A mudança começa agora

Em meio às risadas, Hannah não deixa o principal assunto se deixar levar pelo toque de humor e, da metade até o fim, ela dá, verdadeiramente, um tapa atrás do outro na cara de toda a sociedade.

Ela não só fala da homofobia, como também de gênero, sexualidade, saúde mental, autoconhecimento e o direito real das mulheres. Em um clima total de apreensão, desconforto e emoção, a comediante prova que a mudança deve começar agora.

Em uma entrevista à Vulture, Hannah disse que não esperava o sucesso do seu stand-up, mas que, por causa dele, se sente mais receptiva e compreensiva.

"Sinto que me conectei com o mundo e não entendia o quão desconectada e isolada eu estava", revelou. "O show sugere isso – me encontrando mais e mais conectada a tantas pessoas diferentes e suas histórias, ou que se conectaram com as minhas. Isso me fez perceber o quão isolada eu me sentia".

À mestra, com carinho: uma verdadeira obra de arte.

  • Share
  • Tweet
  • Share

We and our partners use cookies on this site to improve our service, perform analytics, personalize advertising, measure advertising performance, and remember website preferences. By using the site, you consent to these cookies. For more information on cookies including how to manage your consent visit our Cookie Policy.