Por que Luísa Sonza é tão atacada na web? A psicanalista Kelida Marques explica

Explicamos o motivo da cantora receber tantas agressões morais nas redes sociais. Veja.

por Sally Borges 03 jun, 2021 20:43Tags
Recomendado para você: Por que Luísa Sonza é tão atacada na web? A psicanalista Kelida Marques explica

Luísa Sonza foi extremamente atacada por alguns internautas, no início desta semana, após a morte do filho de seu ex-marido, Whindersson Nunes, e Maria Lina. Os ataques insanos foram tão preocupantes que Sonza precisou ser afastada das redes sociais por sua equipe.

De xingamentos, passando por fotos de armas até ameaças de morte, a cantora apareceu aos prantos nos Stories do Instagram, pedindo para que essas pessoas parassem de atacá-la. Ela recebeu apoio de alguns fãs e amigos famosos, como de seu namorado Vitão, mas não foi o suficiente para que ela não ficasse emocionalmente e mentalmente abalada.

Esta, infelizmente, não é a primeira vez que a estrela é agredida dessa maneira, tanto nas ruas quanto na Internet. Mas por que Luísa Sonza é tão atacada na web?

leia também
Luísa Sonza é atacada por internautas após morte do filho de Whindersson Nunes

De acordo com Kelida Marques, psicanalista, hipnóloga e terapeuta holística reikiana, esse tipo de comportamento possui todo um contexto histórico.

"Luísa Sonza 2021 a.C. ou Luísa Sonza 2021 d.C? Há milhares de anos, a lenda viva da figura feminina trazia o karma de Eva, a mulher que seduziu Adão e o conduziu ao pecado. E, então, ambos foram expulsos do Paraíso e punidos por Deus", explica ela. "Ter uma filha mulher antes de Cristo e até mesmo depois de Cristo era um castigo para a sociedade masculina. A mulher não podia trabalhar, ficava em casa e os pais deveriam prezar pela sua pureza".

"Muitas mulheres foram apedrejadas em praças públicas por traições, bruxarias ou até mesmo por lutarem pelos seus direitos. Algumas delas foram denunciadas pela própria família, que tinha medo de ver o seu nome na lama. Anos, séculos se passaram e, hoje, a mulher não é mais apedrejada em praça pública, e sim na rua, na Internet, por mensagens de voz, textos, gifs, ameaças; mas a tortura psicológica e moral é a mesma".

A figura da mulher empoderada incomoda os outros

Para Kelida, uma mulher que tem a própria personalidade, é dona do seu dinheiro e sabe usar sua voz, acaba sendo um alvo fácil.

"Vemos que Luísa luta pela sua hástia. Ela é real, guerreira, autêntica, tem pouca idade e já possui enorme responsabilidade em sua concepção de si mesma", explica a psicanalista. "A figura da mulher Luísa, bem como a figura da mulher empoderada e dona de si, incomoda. Faz a sociedade doente, machista, misógina, colocar para fora todo o seu fel e leva a um comportamento doentio, capaz de ferir a mais pura alma".

"Pessoas que agridem Luísa, Maria, não são pessoas que odeiam a Luísa ou a Maria. São pessoas que odeiam a si mesmas, suas próprias vidas; pois aquilo que as pessoas projetam de errado nos outros, dizem mais sobre elas do que dizem de quem é atacado".

"Quando a Luísa é o alvo, o alvo não é a Luísa, é a insatisfação com a própria vida de quem a ataca. É como se a pessoa acordasse com um ódio tão grande dentro do peito, que, ao acordar se pergunta: 'Quem que eu vou ferir hoje?'. E esse alvo está sendo a Luísa".

Instagram/@luisasonza
leia também
Equipe de Luísa Sonza afasta cantora das redes sociais após ameaças de morte

Internet não é Terra de ninguém

Kelida explica ainda como a cantora merece ser tratada a partir de suas qualidades femininas e reforça que os ataques virtuais não podem ficar impunes.

"A Luísa tem que ser tratada com carinho, respeito e ter sua liberdade de ser mulher, linda, responsável, autossuficiente, rica, namorada de um belo rapaz, de uma boa família, com redes nacionais e internacionais. E o Brasil deve honrar sua arte, sua essência de ser mulher".

"O que fazem com Luísa é uma pequena amostra do que fazem nas ruas, em casa, com as suas mães, irmãs, primas, mulheres e até desconhecidas. Quem tem em mãos um smartphone, um computador, tem em mãos o poder de escrever o que quiser. Entretanto, não se deve acreditar em sua impunidade", enfatiza a profissional.

"A Internet não pode ser vista como Terra de ninguém. É preciso ter ética, respeito e amor ao próximo, mesmo que este próximo estiver distante, for uma pessoa desconhecida. É preciso levar esse assunto um pouco mais a sério e um pouco mais adiante, porque quando observamos a quantidade de ódio despejada em cima de uma mulher que representa uma beleza, uma arte, o seu trabalho, paramos para pensar e imaginar o que outras mulheres estão passando. E talvez essas mulheres que estão passando pelo mesmo ataque não tenham a mesma voz que Luísa".

"É hora de torcer pela sua recuperação, pela sua blindagem mental, pela recuperação emocional, unirmos forças e vibrações positivas para que ela se recupere o mais rápido possível, possa dar a volta por cima e que ela use a sua voz como uma forma de empoderar outras mulheres, a fim de que não aceitem mais nenhuma tortura psicológica, seja na vida pessoal ou na vida profissional", finaliza Kelida.