Paulo Gustavo não tinha comorbidade, revela equipe médica

Humorista não teve interferência de nenhuma doença em seu tratamento contra Covid-19.

por Miriam Kaibara 10 mai, 2021 13:45Tags
Recomendado para você: Paulo Gustavo não tinha comorbidade, revela equipe médica

Paulo Gustavo, que faleceu na última quarta-feira, 4, após longa luta contra a Covid-19, não tinha comorbidades, revelou a equipe médica do hospital Copa Star, no Rio. Em entrevista ao Fantástico, nesse domingo, 9, os médicos explicaram que a asma de Paulo era leve e estava há muitos anos controlada, portanto não teve nenhuma interferência em seu tratamento. 

"Não, não tinha nenhuma doença", afirmaram os médicos, sobre o humorista estar no grupo de risco. 

Segundo a reportagem do programa, nos dias anteriores à sua internação o ator já tinha sido diagnosticado com coronavírus e monitorava a doença em casa com um oxímetro. No entanto, a doença avançava de forma muito rápida. 

Nesses primeiros dias, Paulo fez três tomografias. Na primeira, tinha menos de 10% dos pulmões comprometidos; na segunda, 25%; e na terceira tomografia já estava com 75% dos pulmões acometidos.

leia também
Tatá Werneck dá um tempo das redes sociais após críticas em velório de Paulo Gustavo

No início da internação, Paulo apresentou uma melhora, porém, sua situação piorou a partir do oitavo dia. "Respirando com certo cansaço, certo esforço, e nesse ponto fizemos uma nova tomografia que mostrou praticamente cem por cento de área pulmonar acometida", disse o chefe de terapia intensiva, Fabio Miranda. A equipe então decidiu intubar o artista.

Durante os 53 dias internado, Paulo sofreu diversas complicações, que eram controladas, mas logo em seguida, os exames detectavam um novo problema. "As medidas corretivas eram tomadas, e ele passava a melhorar. Menos de 48 horas, surgia uma outra complicação", revelou Fabio.

leia também
Mãe de Beyoncé lamenta morte de Paulo Gustavo: "Ela também era fã dele"

Os médicos também explicaram que o quadro de embolia gasosa, descoberto no domingo antes de sua morte, debilitou os órgãos de forma irreversível. 

"Detectamos que o sistema nervoso central, o cérebro e o coração foram órgãos imediatamente atingidos por essa quantidade de ar. Não tem como corrigir isso", disse Fabio.