João sobre racismo no BBB21: "Feliz de não deixar passar batido"

Professor deu entrevista à Ana Clara, no Bate-Papo BBB, após sua eliminação nessa quinta-feira, 22.

por Miriam Kaibara 23 abr, 2021 15:01Tags
Recomendado para você: João sobre racismo no BBB21: "Feliz de não deixar passar batido"

João Luiz, eliminado do BBB21 nessa quinta-feira, 22, deu entrevista à Ana Clara no Bate-Papo BBB. Na conversa, João relembrou episódio de racismo que sofreu na casa após comentário de Rodolffo e disse que ficou feliz por ter se posicionado.

"É muito forte, de verdade ver isso. Isso me faz pensar em muita coisa que eu já vivi em toda minha vida. Não é novidade para mim ouvir isso, infelizmente. As pessoas que se identificam comigo, têm características físicas parecidas, a gente tá cansado de ouvir isso, sabe? A gente escuta isso sempre, todo dia", desabafou. 

"Eu talvez tenha me enganado de pensar, 'Aqui eu não vou viver isso, não'. No momento que aquilo aconteceu comigo eu travei, que é a hora que ele faz a piada, que eu falo, 'Não, é diferente'. E aí eu vou desabafar com a Camilla", relembrou.

leia também
BBB21: João chora ao expor comentário racista de Rodolffo sobre seu cabelo

João então fala da importância de discutir essas questões no reality que tem grande alcance entre o público. 

"Eu fico feliz comigo mesmo. De ter conseguido fazer isso", disse o professor. "Fico feliz de ter visto esse meu posicionamento, de não deixar isso passar batido. Porque o BBB tem um alcance gigantesco e usar esse espaço do BBB para ensinar as pessoas sobre essas questões pra mim é muito interessante".

leia também
Tiago Leifert conversa com Rodolffo sobre racismo no BBB21

Em seguida, o ex-brother relembrou do momento em que Tiago conversa sobre o episódio ao vivo. 

"Por isso que quando o Tiago entra ao vivo e fala todo aquele discurso, que pra mim é um discurso muito sensível e reconfortante, senti ele me abraçando e dizendo, 'Tá tudo certo'. E também abraçando o próprio Rodolffo, que é um cara que inclusive tem muito a aprender. Ele poderia usar o espaço midiático, artístico, financeiro, dos privilégios que a vida lhe ofereceu para poder acessar informações e não precisar que isso acontecesse. E muitos momentos a gente precisa que algo ruim aconteça para as pessoas aprenderem"