Demi Lovato recria noite da overdose no clipe de Dancing With the Devil

Nesta sexta-feira, 2, a estrela lançou seu novo álbum e clipe que recria cenas de sua internação em julho de 2018.

por Ryan Gajewski | Traduzido Por Miriam Kaibara | 02 abr, 2021 16:15Tags
Demi Lovato, Dancing With the Devil Music VideoYouTube Originals

[Alerta gatilho]

 

Demi Lovato, que fez revelações chocantes em seu documentário, acaba de lançar seu novo álbum Dancing With the Devil... The Art of Starting Over nesta sexta-feira, 2. Demi também divulgou o clipe do single "Dancing With the Devil", que conta com cenas fortes da noite de sua overdose, em julho de 2018.

O clipe inicia com a estrela em uma cama de hospital e então segue para flashbacks do início da noite, na qual Demi toma diversos drinks.

A cantora também retratou o momento em que sofreu abuso sexual de seu traficante de drogas após ser dopada, e em seguida é encontrada desacordada na cama pelos socorristas.  

leia também
Demi Lovato diz que perdeu virgindade em um estupro

Quase no final do vídeo, a câmera foca na tatuagem de Demi, "Survivor".

O vídeo que foi co-dirigido pela cantora termina com a frase: "Uma história real de Demi Lovato".

Em seu documentário Demi Lovato: Dancing With the Devil, a estrela revelou que sofreu três derrames e um ataque cardíaco. Em painel da Television Critics Association, Demi deu detalhes sobre sua saúde após sofrer overdose.

"Eu não dirijo carro, porque eu tenho pontos cegos na minha visão. Eu também, por muito tempo, tive dificuldade em ler... Foi muito importante quando consegui ler um livro, o que aconteceu dois meses depois, porque minha visão estava muito embaçada", revelou ela.

"Eu tive três derrames", disse ela no trailer. "Eu tive um ataque cardíaco. Meus médicos disseram que eu tinha mais cinco a dez minutos".

Assista ao clipe acima.

 

As frases mais honestas de Demi Lovato sobre sobriedade e saúde mental

Sobre redes sociais

"Algo que eu já fiz é tirar as marcações do Instagram", disse ela em uma entrevista com Zane Lowe. "Eu tenho certeza que também tirei os comentários da maioria".

Sobre seu sistema de apoio

Ao postar uma selfie com Matthew Scott Montgomery e Sirah, a cantora escreveu: "Obrigada por nunca me deixar, mesmo em meus momentos mais sombrios. Por sempre secar minhas lágrimas... mesmo que seja de assistir Moana... obrigada por serem leais, honestos e gratos por cada coisinha. Eu sou muito sortuda de ser melhor amiga de duas almas incríveis, que me inspiram com o talento e a criatividade. Vocês me apoiam em tudo o que eu faço. Vocês viajaram o país todo para me visitar e ficaram comigo em minha casa por dias quando quiseram se certificar de que eu estava bem. Mais importante ainda, vocês nunca me abandonaram como os outros fizeram quando eu estava em meus piores dias. Vocês estavam lá e ouviram sem julgamento. Eu jamais vou conseguir expressar o quando isso significa para mim".

Sobre promover a positividade

"O que eu diria para alguém que está sofrendo é: achar gratidão", disse ela previamente. "É muito importante que você tente achar gratidãpo em sua vida e foque nas coisas positivas. Qunado você se torna capaz de fazer isso, ou se torna capaz de ajudar os outros, você também consegue refletir e olha para a sua vida de outra perspectiva. Algumas vezes é muito difícil e desafiador, mas é algo que me ajuda todos os dias e funcionou até agora".

Sobre ficar mais sábia com a idade

"A última década me ensinou lições difíceis. Eu aprendi que segredos te deixam doente. Eu estou aprendendo como ser uma voz e não uma vítima. Eu aprendi que sexo é natural. Eu aprendi que o amor é necessário, as dores são inevitáveis e a solidão é brutal", disse ela no documentário Simply Complicated. "Eu aprendi que o segredo para a felicidade é dizer a sua verdade e ficar bem mesmo sem todas as respostas".

Sobre o seu aniversário de 21 anos

"Eu estava acostumada a beber e usar drogas no meu aniversário. Eu sempre imaginei que a festa de meus 21 anos seria enorme e todo mundo iria ficar alterado, mas eu vi que a vida é muito mais do que isso", disse ela para a Cosmopolitan em 2014. "Eu tenho muito orgulho do quanto eu evolui", continuou. "Eu quero construir uma fanbase e ter músicas que durem por décadas".

Sobre ser bipolar

"Eu acho que quando as pessoas se referem a mim como bipolar, é algo que é verdade - eu sou bipolar - mas eu não gosto que as pessoas usem isso como rótulo", disse ela em uma entrevista para a rádio iHeartRadio. "É algo que eu tenho, não o que eu sou. Eu acho que Demi Lovato, ativista, é algo para eu me orgulhar. Eu acho que é importante falar sobre o que você acredita porque a sua voz vai ser ouvida, independentemente da posição que você tiver. E eu estou em uma posição na qual mais pessoas vão me ouvir. Eu não uso a minha voz só para cantar, eu uso para falar sobre saúde mental e coisas que eu amo. Eu diria que o mundo todo me conhece de verdade. Eu não tenho nada a esconder".

Sobre ir para a reabilitação

"Aos 19 anos eu tive um momento em que pensava: 'Meu Deus, isso é comportamento de uma alcoólatra. Isso não é mais eu sendo jovem, rebelde e me divertindo. Eu sou uma dessas pessoas... Eu tenho que melhorar'", disse ela para o Access Hollywood sobre a decisão de entrar em uma reabilitação.

Sobre seus cinco anos de sobriedade

"Estou muito grata. Foi uma jornada e tanto. Tantos altos e baixos. Tantas vezes que eu quis usar, mas eu me ajoelhei e pedi para Deus para me ajudar. Eu estou muito orgulhosa de mim mesma, mas eu não poderia fazer isso sem Deus, minha família, meus amigos e todo mundo que me ajudou", disse ela no Instagram. "Estou me sentindo honrada e muito feliz hoje. Obrigada por ficarem comigo e sempre acreditarem".

Sobre os seus seis anos de sobriedade

"Ontem foi um dia muito importante para mim", disse Demi para uma plateia em Barclays Center, em março de 2018. "Ontem, há seus anos, eu estava bebendo vodka em uma garrafa de Sprite às 9 da manhã, vomitando e pensando: 'Isso não é mais fofo. Não é mais divertido. E eu estou igual ao meu pai'. Então eu fiz algumas mudanças em minha vida. A razão pela qual eu vim aqui me abrir para tantas pessoas é porque eu sei que há pessoas aqui que precisam pedir por ajuda e eu quero que elas saibam que tudo bem. Saúde mental é algo que todos temos que lidar e nós precisamos tirar o stigma disso. Então vamos falar sobre isso. Vamos deixar todo mundo saber que não há problemas em ter uma doença mental ou um problema com vício. Eu sou bipolar, que seja. Eu me cuido. Eu nunca vou conseguir dizer o quanto sou grata pelo apoio que você me deram através dos anos. E vocês me perdoaram pelos meus erros. Então obrigada por fazerem parte e salvarem a minha vida. Eu amo vocês".

Sobre a sua motivação para continuar sóbria

"Eu sabia que eu tinha muita vida em minha frente, mas uma das principais razões para eu ficar sóbria era para ficar ao lado de minha irmã mais nova, porque meu pai e minha mãe disseram que eu não podia ficar do lado dela se estivesse alterada", disse ela no programa do Jonathan Ross.