Demi Lovato reflete sobre seu retorno ao palco após a overdose de 2018

Em entrevista que foi ao ar antes do lançamento de seu documentário no YouTube, a cantora revelou o que estava pensando durante o retorno.

por Corinne Heller | Traduzido Por Sally Borges | 22 mar, 2021 14:27Tags
Recomendado para você: Demi Lovato reflete sobre seu retorno ao palco após a overdose de 2018

Demi Lovato fez uma performance pra lá de emocionante no Grammy em 2020, marcando seu retorno aos palcos após sofrer uma overdose quase fatal. Agora, Demi resolveu falar sobre o momento marcante.

Em entrevista ao CBS Sunday Morning, que vai ao ar dois dias antes da estreia de seu documentário no YouTube, Demi Lovato: Dancing With the Devil, a cantora de 28 anos detalhou o que estava passando por sua mente durante o retorno ao palco, do qual ela cantou a música Anyone.

"Eu não sabia se voltaria a pisar em um palco", lembrou ela. "Quando acordei no hospital, pensei, não sei a extensão total do estrago que foi feito. Eu não tinha tentado cantar ainda".

Em julho de 2018, a estrela de Sorry Not Sorry foi hospitalizada após sofrer uma overdose em sua casa em Hollywood Hills, meses após uma recaída.

leia também
Demi Lovato diz que perdeu virgindade em um estupro

Lovato, que lutou contra o vício em drogas nos anos anteriores, passou quase duas semanas em um hospital antes de ser submetida a um tratamento em um centro de reabilitação e ficar sóbria.

Em seu documentário, Demi revela que após sua overdose, sofreu três derrames e um ataque cardíaco; e os médicos disseram que ela teria cerca de cinco a dez minutos de vida se ninguém tivesse ligado para a emergência.

Kevin Winter/Getty Images for The Recording Academy

"Se ninguém tivesse me encontrado, eu não estaria aqui", disse a musa ao CBS Sunday Morning. "Estou grata por estar sentado aqui hoje, sim".

Ela também disse no programa: "Pela primeira vez na minha vida, [eu] basicamente tive que morrer para acordar".

Hoje em dia, Demi continua sua recuperação da maneira que funciona melhor para ela: no documentário, a musa revela que não está se abstendo de todas as substâncias, pois fuma maconha - legal na Califórnia, onde mora - e bebe álcool "com moderação".

"Acho que o termo com o qual me identifico melhor é 'California Sober'", disse a estrela ao CBS This Morning. "Realmente não me sinto confortável em explicar os perímetros da minha recuperação com as pessoas porque não quero que ninguém olhe para os meus perímetros de segurança e pense que é o que funciona para eles, porque pode não funcionar".

Ela continuou: "Tenho o cuidado de dizer que, assim como sinto que o método de abstinência completa não é uma solução única para todos. Não acho que essa jornada de moderação seja uma solução única e adequada para todos também".

A primeira parte do documentário de quatro partes, Demi Lovato: Dancing With the Devil, dirigido por Michael D. Ratner, estreará no YouTube em 23 de março.