Meghan Markle e Príncipe Harry reagem às "práticas predatórias" de tabloide britânico

Um investigador particular pediu desculpas ao casal depois de admitir que vendeu informações privadas ao The Sun em 2016.

por Lindsay Weinberg | Traduzido Por Sally Borges | 19 mar, 2021 16:13Tags
Recomendado para você: Meghan Markle e Príncipe Harry reagem às "práticas predatórias" de tabloide britânico

Meghan Markle e o Príncipe Harry criticaram as "práticas predatórias" que um tabloide britânico supostamente usou para atingir o casal em 2016.

Na quinta-feira, 18, o investigador particular de Los Angeles, Daniel "Danno" Portley-Hanks, disse ao The New York Times que o tabloide britânico The Sun pagou a ele para entregar informações privadas sobre Meghan logo após ela começar a namorar Harry. 

O NYT analisou uma fatura que supostamente mostrava que Daniel vendeu as informações secretas ao editor do The Sun nos Estados Unidos, James Beal, por US$ 2.055, cerca de R$ 11 mil.

As informações incluíam números de celulares, números da Previdência Social e endereços residenciais, o que supostamente levou o The Sun a publicar histórias desfavoráveis ​​sobre sua meia-irmã Samantha Markle e seu pai distante, Thomas Markle.

leia também
Jornalista revela plano para entrevista de Meghan e Harry se Príncipe Philip tivesse morrido

O E! News obteve uma declaração do porta-voz do Duque e da Duquesa de Sussex explicando por que eles acham que mais mudanças são necessárias na indústria da mídia, à luz das novas alegações.

"O Duque e a Duquesa de Sussex sentem que hoje é um momento importante de reflexão para a indústria da mídia e a sociedade em geral, já que este relatório investigativo mostra que as práticas predatórias de dias passados ​​ainda estão em andamento, ceifando danos irreversíveis para as famílias e relacionamentos".

"Eles são gratos aos que trabalham na mídia e defendem os valores do jornalismo, que são necessários agora mais do que nunca", acrescentou.

Chris Jackson/Getty Images

De acordo com o NYT, Daniel protegeu as informações restritas após fazer login no banco de dados TLOxp. O veículo observa que licenciados como ele podem acessar legalmente as informações para seus clientes, acrescentando: "Mas é uma violação dos estatutos de privacidade dos EUA as pessoas passarem esses relatórios para organizações de notícias. (Os veículos de notícias dos EUA podem pesquisar algumas informações sobre o TLOxp e serviços semelhantes, mas só têm acesso a um conjunto limitado de dados)".

O Byline Investigates recebeu uma cópia do arquivo de Daniel, que supostamente apresentou ao The Sun seu relatório de 90 páginas em 30 de outubro de 2016.

Além disso, incluía contas de e-mail e informações sobre o registro do carro sobre Meghan, bem como sua família e amigos. Daniel também afirma que dirigiu até a casa da ex-atriz de Suits em West Hollywood, também da casa de seu pai e tirou fotos em ambos os locais.

Alastair Grant/AP/Shutterstock

O investigador se desculpou publicamente com os Sussex via Byline Investigates, dizendo: "Lamento a Meghan Markle e o Príncipe Harry por alvejarem sua família, especialmente seu pai, em nome do The Sun. Eu nunca quis causar dano a Meghan Markle, e não teria feito o trabalho se soubesse que isso levaria a todos esses problemas".

Daniel também se desculpou com a Rainha Elizabeth II: "Eu também queria aproveitar esta oportunidade para me desculpar com a Rainha, porque sei que o mal que fiz pelo The Sun afetou toda a família".

O News Group Newspapers, que publica o The Sun, disse ao NYT que fez um "pedido legítimo" para Daniel pesquisar Meghan usando sua licença. "Ele foi instruído claramente por escrito a agir legalmente e assinou um compromisso legal de que o faria", disse a empresa em comunicado, que também foi feito em nome do editor, James.

Daniel disse ao NYT que os repórteres do The Sun lhe disseram para ir em frente "com um aceno de cabeça e uma piscadela".

De acordo com o NYT, Daniel escreveu em uma declaração aos advogados de Harry: "Eu acredito fortemente que James Beal sabia que o que eu estava fornecendo a ele foi obtido ilegalmente".