Amiga de Meghan Markle diz que há provas de que Família Real sabia de seus problemas

Após a entrevista do Duque e da Duquesa, a atriz Janina Gavankar falou sobre a luta de saúde mental da ex-estrela de Suits.

por Corinne Heller | Traduzido Por Sally Borges | 10 mar, 2021 18:03Tags
Recomendado para você: Amiga de Meghan Markle diz que há provas de que Família Real sabia de seus problemas

Há provas de que a Família Real e sua equipe do Reino Unido sabiam sobre os problemas de saúde mental de Meghan Markle, segundo informou uma de suas amigas. Durante entrevista no domingo, 7, Meghan revelou à Oprah Winfrey que pensou em suicídio após ter pedido de tratamento negado.

A Duquesa de Sussex, grávida de uma menina, fez chocantes revelações à Oprah para um especial da CBS, incluindo sobre suicídio e racismo.

Na terça-feira, 9, a Rainha Elizabeth II quebrou o silêncio sobre o bombástico especial através de comunicado.

"A família inteira fica triste ao saber o quanto os últimos anos foram desafiadores para Harry e Meghan. As questões levantadas, particularmente as de raça, são preocupantes. Embora algumas lembranças possam variar, elas são levadas muito a sério e serão tratadas pela família em particular. Harry, Meghan e Archie sempre serão membros muito amados da família".

leia também
Meghan Markle apresenta queixa à emissora após insultos de jornalista

A atriz Janina Gavankar, do The Morning Show, é amiga de Meghan há 17 anos e concedeu entrevista à ITV nesta quarta-feira, 10, sobre o assunto.

"Sabe, depois de ler esta curta declaração que saiu do Palácio de Buckingham, eu pensei em duas coisas. Por um lado, acho que me sinto muito grata por eles finalmente reconhecerem a experiência. Mas, por outro lado, sei que a família e os funcionários sabiam muito bem da dimensão disso e pelas lembranças deles poderem varias, as nossas não, porque vivemos com elas. E há muitos e-mails e textos para provar isso", disse ela.

"Não sei quem [especificamente] sabia. Sei que a família e a equipe sabiam".

Na entrevista à Oprah, Meghan disse que estava "envergonhada" em admitir isso para Príncipe Harry, pois sabia "quanta perda ele sofreu". 

"Eu estava com vergonha de contar isso na época, e com vergonha de ter que admitir para Harry, especialmente porque eu sei quanta perda ele sofreu. Mas eu sabia que se eu não dissesse, então eu faria. Eu não queria mais estar viva. Isso era claro, real, e assustador, e um pensamento constante".

"Eu me lembro como ele me pegou em seus braços. E eu fui até a instituição e disse que precisava ir a algum lugar para buscar ajuda. Eu disse, 'Eu nunca me senti assim antes, e eu preciso ir a algum lugar'. E me disseram que eu não poderia, que não seria bom para a instituição", revelou a Duquesa.

Janina Gavankar/Instagram

"Procurei os recursos humanos e disse: 'Eu realmente... preciso de ajuda'. Porque no meu antigo emprego havia um sindicato e eles me protegiam. E eu me lembro dessa conversa como se fosse ontem, porque eles disseram, 'Meu coração está com você, porque eu vejo o quão ruim é, mas há nada que podemos fazer para protegê-la porque você não é uma funcionária paga da instituição'".

Meghan acrescentou: "Isso não foi uma escolha. Foram e-mails e pedidos de ajuda, dizendo muito especificamente, 'Estou preocupada com meu bem-estar mental.' E as pessoas diziam, 'Oh, sim, sim, é desproporcionalmente terrível o que vemos por aí para qualquer outra pessoa'. Mas nada foi feito, então tínhamos que encontrar uma solução... Achei que resolveria tudo para todos, certo?".

Qestionada por Oprah se estava pensando em se machucar ou ter pensamentos suicidas, ela respondeu: "Sim. Isso foi muito, muito claro".

Meghan também confirmou a Oprah que, na época, queria dar entrada em uma unidade de saúde para receber tratamento, acrescentando: "Você não pode simplesmente fazer isso. Eu não poderia, você sabe, chamar um Uber ao Palácio".

O casal disse ainda que um membro da Família Real, do qual não especificaram, expressou ao Duque de Sussex "preocupações e conversas sobre quão escura" a pele de seu filho Archie Harrison "poderia ser quando ele nascesse".