Dani Calabresa fala sobre assédio pela 1ª vez na TV: "O trabalho me salvou"

A atriz participou do Saia Justa, na quarta-feira, 3, e falou sobre o episódio polêmico com Marcius Melhem.

por Sally Borges 04 mar, 2021 17:10Tags
Recomendado para você: Dani Calabresa fala sobre assédio pela 1ª vez na TV: "O trabalho me salvou"

Dani Calabresa se abriu sobre as denúncias de assédio sexual contra Marcius Melhem. Dani participou do Saia Justa, do GNT, na quarta-feira, 3, e falou pela primeira vez sobre a polêmica na TV.

O ex-diretor de entretenimento já havia sido afastado da Globo e teve diversos relatos de assédio publicados pela revista Piauí, em dezembro.

"Eu acho que tive que colar os caquinhos nos dois momentos mais difíceis da minha vida: depois do divórcio e nesse episódio horrível de assédio. O que me ajudou a colar os pedaços foi o trabalho, o trabalho me salvou", disse ela. 

"Eu tenho que lembrar quem sou. Os amigos, família, terapia, também. Mas o trabalho foi o que mais me salvou".

leia também
Marcius Melhem diz que acusação de Dani Calabresa é um 'processo de vingança'

Dani se mostrou apaixonada pelo seu trabalho, mas também sentiu a pressão de não ter se manifestado durante esses anos.

"Por causa do trabalho eu não reagi antes. Eu tinha tanto medo de sofrer algum boicote, ser prejudicada, que não reagi antes. Assédio é tão assustador que a gente tenta negar para a gente mesma. Tenta fingir que aquilo que está acontecendo é normal. Você segue do jeito que consegue, fingindo normalidade, tentando ser legal, dizendo que tá tudo bem, que não está brava".

"Demonstra uma gratidão excessiva. Mas chega uma hora que isso começa a fazer tão mal que você tem que arrebentar a tampa desse caldeirão".

Divulgação/RedeGlobo; Instagram/@calabresadani

A humorista também deu certa indireta sobre o fato de Melhem ter exposto mensagens trocadas com ela.

"Nada autoriza assédio. Nenhuma brincadeira, nenhuma mensagem autoriza assédio. ‘Ah, mas naquele dia foi carinhosa, riu, bebeu', não interessa. Ninguém tem o direito de forçar o contato físico com ninguém. É preciso permissão. É muito difícil lidar com tudo isso, organizar o pensamento. Estou com meus pedaços colados, estou leve. E na terapia", acrescentou.