Marcius Melhem expõe mensagens para provar amizade com Dani Calabresa

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o diretor comenta as acusações de assédio da atriz e fala de sua vida atualmente.

por Sally Borges 16 dez, 2020 15:04Tags
Recomendado para você: Marcius Melhem expõe mensagens para provar amizade com Dani Calabresa

Marcius Melhem reuniu diversas mensagens trocadas com Dani Calabresa em sua defesa, sobre as acusações de assédio moral e sexual. Segundo Melhem, Dani não pareceu traumatizada depois do suposto episódio.

O diretor quer provar na Justiça que sua relação com a comediante era íntima e amigável, entre 2017 e 2019. De acordo com a reportagem da revista Piauí, os assédios teriam acontecido dentro desses anos.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, ele ressalta que ninguém entrou na Justiça por algum crime contra ele, especialmente de assédio, e que "do jeito que a coisa está posta é leviano, descompromissado e inconsequente".

"Não posso ser julgado pelo tribunal das redes sociais. Isso é linchamento, inquisição. Estou pedindo para ser julgado. Quando alguém acusado de um crime tem que ficar implorando para ser julgado?". 

Melhem entrou com uma notificação extraconjugal a fim de exibir as mensagens com Dani e fundamentar um futuro processo contra ela e a revista Piauí.

leia também
Paulo Vieira diz que apoiou Dani Calabresa: "Falei por duas horas na Globo"

São sete conversas reproduzidas no documento, incluindo mensagens de voz da atriz e também do dia 12 de dezembro de 2017, ou seja, 8 dias após a festa que a mesma acusa o diretor de assédio sexual.

Segundo a defesa, a comediante teria enviado um áudio privado para agradecer a mensagem de aniversário no grupo do What's App do "Zorra Total", dizendo "eu te amo" ao diretor e sugerindo uma viagem com as filhas dele para a Disney.

"Chefe, estou mandando este áudio para agradecer a mensagem linda que você mandou no grupo. Todas as mensagens que você manda sempre de apoio e carinho. Nossa, você não tem ideia como fico feliz de saber que você me acha talentosa. Eu sou sua fã pra caralh*", afirma ela.

"Estou muito feliz, de verdade. Te amo muito. Um beijo para suas filhinhas lindas. Vamos para a Disney juntos".

leia também
Deborah Secco se irrita com comparação de Eduardo Galvão e Marcius Melhem

Em outra mensagem, de novembro de 2018, um ano depois da festa, a atriz chama o diretor de "o mais profissional dedicado caprichoso ‘workaholiquinho' e ‘ciborguinho'". "Ai te ‘aminho', muito, muitas saudades, pena que a gente se encontra pouco, mas eu sinto uma intimidade que, assim, eu posso mandar áudio, eu posso mandar mensagem a qualquer hora". 

Através de sua advogada, Dani alega que a "interpelação repete estratégia comum a casos similares". "Objetiva intimidar não apenas uma vítima específica, mas outras que ainda permanecem protegidas sob sigilo e até mesmo testemunhas, como se isso fosse capaz de apagar os graves fatos narrados e cuidadosamente checados com dezenas de pessoas citadas pelas matérias".

Instagram/@calabresadani

Para Melhem, que contratou uma empresa especializada para comprovar a veracidade das mensagens, explica que está tentando se defender de uma "narrativa falsa" e que não expôs a vítima. 

"Estou numa encruzilhada por parte da opinião pública. Se mostro alguma coisa, estou expondo as vítimas. Se vou para a Justiça, estou intimidando a advogada. Me defendo onde?", explica ele. "Estou mostrando coisas que expõem a relação amistosa que temos. Não é expor uma suposta vítima. Estou mostrando que eu e a suposta vítima tínhamos uma relação no período que a revista diz que ela estava traumatizada comigo. É só para contrapor uma narrativa falsa".

"Não forcei Dani Calabresa a nada naquela noite", acrescenta o diretor, revelando que atualmente faz sessões quase diárias de terapia e afirmando que cometeu erros em suas relações pessoais, como falta de empatia e traição.

"Hoje entendo que fui tóxico várias vezes. Feri e magoei várias pessoas, sobretudo minha ex-mulher. Do ponto de vista profissional, não persegui ninguém, não coagi ninguém".

"Isso sempre foi visto como algo normal, foi naturalizado", explica ele, sobre sua conduta no ambiente de trabalho. "No meio artístico em geral, isso acontecia e continua acontecendo. Hoje consigo enxergar com clareza os riscos, os erros e as consequências de você se relacionar com pessoas que muitas vezes estão abaixo de você".