Entenda suposto plágio por trás de Rebecca, novo filme de Lily James

O remake chegou ao catálogo da Netflix nesta semana, mas possui histórico polêmico com autora brasileira. Confira!

por Sally Borges 22 out, 2020 18:07Tags
Lily James, RebeccaKerry Brown/Netflix

Lily James pode estar no olho do furacão após ser vista em clima romântico com o ator casado, Dominic West. Por outro lado, Lily tem dado o que falar com sua performance em novo e polêmico filme da Netflix.

Rebecca – A Mulher Inesquecível estreou no serviço de streaming nesta semana e já pode ser encontrado entre os dez mais assistidos do país.

A atriz dá vida a uma jovem que conhece o viúvo Max de Winter, interpretado por Armie Hammer. Ela, então, se casa com o milionário, mas precisa lidar com a sombra deixada pela primeira esposa dele, falecida de forma misteriosa.

O filme é uma releitura do clássico de Alfred Hitchcock, lançado em 1940 e vencedor de vários prêmios, incluindo Oscar de Melhor Filme.

leia também
Os filmes nada óbvios para assistir no Netflix

Mas, então, qual é a polêmica sobre o suposto plágio? No mundo da leitura, todos sabem que o renomado longa da década de 40 foi baseado no livro homônimo de 1938, da autora britânica Daphne du Maurier.

Foi então que, em 1941, o New York Times publicou uma matéria indicando uma, digamos, coincidência sobre as obras de Daphne e da brasileira Carolina Nabuco.

Filha de Joaquim Nabuco, diplomata e um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, Carolina escreveu o romance A Sucessora, em 1934. 

O livro conta a história de Mariana, uma jovem recém-casada que se muda para a mansão do marido Roberto Steen. Ao entrar na nova residência, ela vê o retrato de Alice, primeira esposa de Roberto; e todos seus medos e inseguranças se mostram mais vivos que seu casamento.

Diante do sucesso de A Sucessora no Brasil, Carolina decidiu traduzir a obra para o inglês e enviá-la para seus agentes internacionais. O contrato para a publicação nunca retornou, mas ela viu, diante de seus olhos o triunfo de Rebecca.

Em suas memórias, a autora lembra que os advogados do filme de Hitchcock a procuraram para que ela assinasse um documento sobre a "possibilidade" de uma mera coincidência; além de oferecerem uma quantia em dinheiro da qual ela descreveu como um "valor considerável".

Carolina não aceitou o acordo, no entanto, não há histórico de processos por plágio contra a história da britânica. Agora, mais de 80 anos depois, Rebecca volta à tona com um toque de feminismo e um histórico fascinante.