Ivy Moraes, que negou existir racismo na casa do Big Brother Brasil 20, se abriu para as amigas na madrugada dessa quarta-feira, 7. Em conversa com Gizelly, Flayslane e Mari Gonzalez, Ivy admitiu que se apaixonou por um personagem da Carreta Furacão

O grupo, que se tornou uma febre na web, faz apresentações de dança com personagens icônicos da cultura pop, e começou na cidade de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. 

"Eu me apaixonei bem pelo Cebolinha. Eu conseguia ver o olhar dele dentro do trem. Me apaixonei pelo jeitinho que ele dançava, por essas coisas. Você já viu esses bichos? Dá pra ver o olhinho da pessoa mesmo dentro das fantasias. Mais de um mês essa carreta passou na minha cidade", disse ela. 

Porém, para a tristeza da mineira, sua mãe logo colocou fim ao romance. 

"Ela viu que eu ficava indo atrás dessa Carreta todo dia, daí me seguiu na rua e já abriu o barraco. Depois ela ficou falando que esse Cebolinha era feio, velho, daí peguei ranço e acabou", revelou.

Recentemente, Ivy se pronunciou sobre sobre supostas atitudes racistas no BBB. Em conversa com Flay, a sister disse: "A Marcela falou do racismo, eu sou super contra julgar alguém por conta da pele, isso não existe. Mas ficar usando disso também eu não concordo".

"Ser preto não é malefício nenhum. Quanto mais morena eu fico mais eu gosto. Eu gosto é muito. 'Posso falar que quero ficar no sol pra ficar preta', perguntei pra Thelma? E ela disse que não, porque eu nunca vou ficar preta".

We and our partners use cookies on this site to improve our service, perform analytics, personalize advertising, measure advertising performance, and remember website preferences. By using the site, you consent to these cookies. For more information on cookies including how to manage your consent visit our Cookie Policy.