InterFAU revela que Felipe Prior foi banido após denúncias de assédio e crime sexual

A organização divulgou comunicado oficial após o arquiteto ser acusado de estupro

por Miriam Kaibara 03 abr, 2020 18:54Tags
Recomendado para você: InterFAU revela que Prior foi banido após denúncias de assédio e crime sexual

Felipe Prior, acusado de estupro e tentativa de estupro por três mulheres, negou ter cometidos os supostos crimes à revista Marie Claire. E nesta sexta-feira, 3, a InterFAU, jogos universitários das faculdades de arquitetura e urbanismo de São Paulo, se pronunciou e confirmou que Prior foi banido do evento, em 2018, após eles receberem denúncias de assédio e crime sexual. 

"No evento de 2018 foi reportado para a comissão organizadora e para a comissão anti-opressão mais de um relato de assédio contra Felipe, e um dos casos é justamente o que foi reportado por vocês na matéria. Importante reiterar que não foi repassado informações da vítima e nem detalhes do caso por pedidos da vítima de manter em sigilo. Foi reportado apenas que um dos relatos era grave", diz a comissão à revista.

"Após a comissão ficar ciente das denúncias de assédio - mais um vez importante ressaltar que a comissão não sabia dos detalhes e que tinha sido um caso de estupro -, foi decidido em reunião de fechamento em outubro de 2018 que o Felipe fosse expulso das demais edições do Interfau".

leia também
Famosos se pronunciam após Felipe Prior ser acusado de estupro

"Nós somos um evento privado, então a decisão realmente cabe à comissão, não exigimos nenhum tipo de boletim de ocorrência ou qualquer coisa do tipo, basta a comissão entrar em um acordo para tomar a decisão", explicou a InterFAU.

"Nós optamos por evitar aumentar a história antes que o processo viesse à tona. Vamos agora reportar o ocorrido através de uma nota oficial nas nossas redes sociais. Não tínhamos feito isso anteriormente porque quando ocorreu a expulsão dele ele não era uma pessoa pública e não tínhamos a intenção de expor o ocorrido, já que cabe a vítima tomar as devidas providências. A medida que cabia a nos tomarmos foi tomada: a expulsão do Felipe".

"Agora ele se tornando uma pessoa pública, achamos importante nos pronunciar para que as pessoas que frequentam nosso evento se sintam seguras. Estivemos sempre em contato com as vítimas, desde que o processo teve início, com a intenção de ajudá-las o máximo que podíamos".

leia também
Felipe Prior é acusado de estupro por duas mulheres

A primeira vítima de Prior foi Themis (protegida por pseudônimo), que diz ter sido violentada pelo ex-participante do BBB enquanto voltava de uma festa na USP, que comemorava a InterFAU, em 2014.  Prior ofereceu carona para Themis e sua amiga e, após deixar a outra garota em sua casa, ele estacionou o carro em uma rua e se lançou em cima da vítima, passando a mão em seu corpo e tentando beijá-la.

"Devido à embriaguez, ela disse que não conseguia oferecer resistência física, mas que falou não a ele muitas vezes, deixando claro que não queria ter relações sexuais. Felipe teria reagido dirigindo-se a ela aos gritos, dizendo, 'Para de ser fresca, no fundo você quer, não é hora de se fazer de difícil'", relatou a vítima à Marie Claire.

"Themis relatou que a violência do ato foi tamanha que causou uma laceração em seu lábio vaginal esquerdo, o que fez com que rapidamente sua roupa, o banco do carro e a roupa de Felipe ficassem ensanguentados".

Outra vítima, Ísis (também protegida por um pseudônimo) revelou à Marie Claire que Felipe a estuprou durante os jogos InterFAU, de 2018.

De acordo com o relato, Felipe teria insistido para Ísis entrar em sua barraca durante o evento (no qual muitos alunos acampam). Lá dentro, eles começaram a ter relações sexuais de maneira consentida, mas Prior começou a ficar muito agressivo. Assim que ela disse que não queria mais, o ex-BBB não lhe deu atenção e continuou, lhe desferindo tapas no rosto e no corpo todo. No fim, Ísis chegou a chorar e foi escutada por duas testemunhas que estavam na barraca ao lado.

A terceira vítima foi Freya (também usando um pseudônimo). O caso dela é parecido com o de Ísis e aconteceu no mesmo evento, o InterFAU, em 2016. Prior também a levou para a barraca e começou a ficar agressivo, forçando o ato sexual, mas ela conseguiu afasta-lo com os braços e pernas e fugir.