Pai de Meghan Markle pode testemunhar contra filha no tribunal

Thomas Markle pode ficar do lado contrário à filha no processo que a duquesa move contra os tablóides britânicos

por Elyse Dupre | Traduzido Por Miriam Kaibara | 15 jan, 2020 19:20Tags
Recomendado para você: Pai de Meghan Markle pode testemunhar contra filha no tribunal

Meghan Markle, que está vivendo no Canadá, poderá ter seu próprio pai depondo contra ela no tribunal. Segundo o The Telegraph, Thomas Markle vai testemunhar contra a filha na batalha legal de Meghan com o Mail on Sunday. 

O jornal afirma que segundo documentos arquivados, o pai da duquesa pode apresentar "evidências" que serviriam como parte da defesa do tablóide.

"Se ele for chamado, ele irá comparecer", disse Samantha Markle, meia-irmã de Meghan, a BBC.

Em outubro foi noticiado que Meghan ia tomar medidas legais contra o Mail on Sunday e sua empresa controladora Associated Newspaper por publicar uma carta provada. Segundo a Sky News, ela acusa o tablóide de mau uso de informação privada, violação de direitos autorais e violação da Lei de Proteção de Dados de 2018.

"Iniciamos um processo judicial contra o Mail on Sunday e sua empresa controladora Associated Newspapers, por causa da publicação intrusiva e ilegal de uma carta privada escrita pela Duquesa de Sussex, que faz parte de uma campanha desse grupo de mídia para publicar informações falsas e histórias deliberadamente depreciativas sobre ela e o marido", disse um porta-voz da Schillings, que representa Meghan, em comunicado divulgado em outubro. "Dada a recusa da Associated Newspaper em resolver esse problema de maneira satisfatória, instauramos procedimentos para corrigir essa violação de privacidade, violação de direitos autorais e a agenda de mídia mencionada anteriormente".

leia também
Por dentro da vida de Meghan Markle no Canadá após renúncia

O Telegraph informou que os documentos judiciais acima mencionados divulgavam mensagens de texto de Thomas enviadas à Meghan antes de seu casamento com o príncipe Harry. Segundo a publicação, os documentos afirmam que a última mensagem que Thomas recebeu foi no dia 17 de maio "advertindo-o por conversar com a imprensa, dizendo-lhe para parar e o acusando de causar dano à filha". De acordo com o relatório, citando os documentos, a mesnagem foi assinada, "Com amor M e H." O Telegraph também informou que a defesa alegou que Harry e Meghan "não perguntaram como [Thomas] estava ou como sua cirurgia foi".

O Mail on Sunday continua a aprovar a publicação de sua matéria.

"O Mail on Sunday mantém a história publicada e defenderá vigorosamente este caso", disse um porta-voz da publicação em comunicado divulgado em outubro. Ele também negou as alegações de que a "carta da duquesa" foi editada de qualquer maneira a mudar seu significado ".

Em outubro, Thomas disse ao jornal que sentia a necessidade de "liberar partes da carta" para "se defender" depois de ler uma matéria de fevereiro de 2019, na People. O Mail on Sunday alegadamente afirmou em documentos judiciais que a carta já havia sido mencionada em um artigo publicado pela People, no qual "amigos" não identificados de Meghan a defendiam contra o suposto "bullying global" que ela enfrentava.

"Thomas Markle tinha o direito de contar sua versão do que havia acontecido entre ele e sua filha, incluindo o conteúdo da Carta", afirmou o jornal The Defense on Sunday, pelo The New York Times.

Além disso, o Mail on Sunday alegadamente disse nos documentos que Meghan "antecipou [a carta] sendo divulgada e lida por terceiros". O tablóide também alegou que os membros da família real "geram e confiam na publicidade sobre si mesmos e suas vidas, a fim de manter as posições privilegiadas que ocupam e se promover, o cumprimento de seus deveres e funções e as boas causas que adotaram".

 

Veja abaixo os momentos históricos do príncipe Harry e Meghan Markle: