A atriz Cacau Protásio, estrela de Vai Que Cola!, passou por uma situação muito triste e revoltante ao gravar uma cena do filme Juntos e Enrolados no Quartel-Central do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro.

Começou a circular um vídeo pela web na qual um dos bombeiros do local gravava as filmagens do longa e ofendia a atriz com ataques racistas e gordofóbicos, além de também fazer comentários homofóbicos.

Na cena, a atriz estava dançando com vários dançarinos, todos fardados. "Olha a vergonha no pátio do quartel central. Essa mulher do ‘Vai que Cola', aquela gorda, colocou a farda e botou os dançarinos viados com roupa de bombeiro. Isso é um esculacho, rapaz. Qual é a desse comandante? Vai deixar uma putaria dessas no pátio do quartel?", disse o bombeiro no vídeo, segundo o colunista Leo Dias.

"Vergonhoso. Mete aquela gorda, preta, filha da p*** numa farda de bombeiro, uma bucha de canhão daquela, com um monte de bailarino viado, quebrando até o chão. Vão achar que é o que? Bombeiro? Aquilo é tudo viado. Lamentável", reforça outro oficial.

Assim que o vídeo gravado pelos bombeiros chegou an atriz, ela desabafou sobre o caso nas redes sociais. "Em respeito a vocês, vim aqui dizer o que está acontecendo. Estou fazendo um filme onde interpreto uma bombeiro sargento, e, domingo, fui gravar no batalhão no centro da cidade. Fui super bem recebida e bem assessorada, sendo que tem um bombeiro que fez um vídeo de uma cena solta e espalhou por aí", disse ela.

"Em momento algum ele desceu pra saber o que tava acontecendo, o que é que era. E a cena que ele postou é um pedaço de uma cena que é um sonho do meu superior. Eu faço um filme, eu conto história. Aquilo ali é uma ficção, não é realidade. E ele espalhou o vídeo com um áudio me xingando de negra, gorda, filha da puta, cambada de viado. Racismo é preconceito, se ele não sabe. E isso é muito triste. Não entendi por que tanto ódio".

 

"Sou negra, sou gorda, sou brasileira, sou atriz, eu conto histórias, conto ficção. Não mereço ser agredida, assim como nenhuma pessoa. Eu respeito a opinião de alguns bombeiros que dizem que 'ah, eu não acho certo', mas vai ver realmente a história antes de agredir. Eu printei tudo o que foi colocado na minha página. Tem uma menina no Facebook também super falando mal. Postou uma foto minha de farda e os coleguinhas dela me detonando. Tudo isso eu printei, porque é crime. Você ser preconceituoso é crime. Racismo é crime. Você pode não gostar, mas tem que respeitar. E por que esse ódio? Juro que não entendo".

"Sei que sou uma pessoa forte, mas ouvir tudo isso de um ser humano é horrível, é muito triste. E como uma pessoa que veste uma farda tão linda tem essa postura? Como posso dizer que ele salva vidas, que ele faz o amor, tendo essa postura e falando tanta coisa horrorosa, tanta coisa feia, ofendendo? Eu respeito e acho que eles têm o direito de gostar ou não gostar. Mas eles tinham que perguntar primeiro. O mal da gente é primeiro julgar e jogar pedra, pra depois saber o que era e falar que não era algo tão ruim. Só estou aqui pra dizer que racismo é crime. Isso não se faz".

Em uma nota oficial, a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro disse que "não compactua com qualquer ato discriminatório" e que está investigando para saber quem são os responsáveis pelo vídeo.

We and our partners use cookies on this site to improve our service, perform analytics, personalize advertising, measure advertising performance, and remember website preferences. By using the site, you consent to these cookies. For more information on cookies including how to manage your consent visit our Cookie Policy.