Taylor Swift vive uma enorme batalha musical em sua carreira. Desde junho, quando foi atacada até por Justin Bieber, Taylor se viu envolvida em uma briga sem fim com os atuais donos de sua antiga gravadora, a Big Machine.

Para quem não sabe, as antigas músicas da cantora fazem parte do catálogo da Big Machine Label Group, fundada por Scott Borchetta e que foi comprada por Scooter Braun, empresário de grandes nomes da música, como Ariana Grande, Demi Lovato e o dono do hit Sorry.

Na época, a cantora foi às redes sociais e disse que estava se sentindo "triste e enojada" pelo fato de suas letras pertencerem agora a dois homens que sempre fizeram "bullying manipulador" com ela durante anos.

E na semana passada, a polêmica voltou a ser assunto após Taylor ir novamente à web e revelar que estava sendo proibida de apresentar seus sucessos no AMA 2019, onde será homenageada como Artista da Década.

"Scott Borchetta disse à minha equipe que eles me permitirão usar minha música apenas se eu fizer as seguintes coisas: Se eu concordar em não gravar novamente as versões imitáveis das minhas músicas no próximo ano (o que é algo que tenho permissão e espero por isso) e também disse à minha equipe que preciso parar de falar sobre ele e Scooter Braun", disse ela no Instagram.

Através de um comunicado, a Big Machine rebateu a estrela, mas chegou a um acordo com ela sobre a apresentação.

Entenda toda a briga no vídeo acima!

We and our partners use cookies on this site to improve our service, perform analytics, personalize advertising, measure advertising performance, and remember website preferences. By using the site, you consent to these cookies. For more information on cookies including how to manage your consent visit our Cookie Policy.