Kim Kardashian relata reação de condenado com adiamento de execução

A estrela de Keeping Up With the Kardashians contou detalhes do momento em que Rodney Reed recebeu a notícia do adiamento de execução.

por Corinne Heller | Traduzido Por Sally Borges | 18 nov, 2019 16:03Tags
Recomendado para você: Kim Kardashian relata reação de condenado com adiamento de execução

Kim Kardashian salvou outra pessoa da punição carcerária. Depois de conseguir clemência à bisavó Alice Marie Johnson, Kim livrou Rodney Reed do corredor da morte no final de semana.

Rodney Reed, de 51 anos, seria executado na última quarta-feira, 13, por estupro e estrangulamento de Stacey Stiles, que tinha 19 anos na época do crime, 1996. E na sexta-feira, 15, o Conselho de Perdões do Texas recomendou que o governo conceda uma indenização de 120 dias para ele, já que os advogados do Projeto Inocência disse que há evidências que exoneram Reed do caso.

Um tribunal vai analisar o caso dele novamente. Reed conta com o apoio de inúmeros legisladores e celebridades, como Kim, que estuda para ser advogada e recentemente mostrou seu apoio a ele no Twitter.

No final de semana, a estrela de Keeping Up With the Kardashian escreveu no Instagram que conheceu Reed pessoalmente naquele dia e estava presente quando ele recebeu a notícia sobre o adiamento da execução.

"Foi emocionante", disse ela ao programa Today, da NBC, em trecho divulgado no último domingo, 17. "Foi extremamente emocionante e ele disse: ‘Louve a Jesus'".

leia também
Kim Kardashian quer deixar o mundo seguro e justo para seus filhos

"Palavras não podem descrever o alívio e a esperança que varreram a sala naquele momento", compartilhou a musa na rede social. "Essa esperança estava se formando nas últimas semanas em torno do caso de Rodney".

"Vimos Democratas e Republicanos se unirem", acrescentou Kim. "Vimos ativistas de base e parlamentarem vincularem armas. Ouvimos pessoas do mundo inteiro falarem. E tudo por causa de uma profunda crença de que todo homem ou mulher acusada de um crime – especialmente um punido com a morte – merece a chance de ter todas as evidências disponíveis consideradas".

Em junho, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, concedeu clemência para Alice Johnson, de 63 anos, que foi presa em 1997 por suposto tráfico de drogas e acusações de lavagem de dinheiro; após a esposa de Kanye West ajudar no caso dela e falar com o político sobre o ocorrido.

As duas se conheceram pessoalmente depois que Johnson deixou a prisão em liberdade condicional. Elas se reuniram em outubro, fazendo uma aparição conjunta na sede do Google, na Califórnia, para falar sobre a reforma do encarceramento em massa.