Outubro Rosa: Dicas de prevenção ao câncer de mama

A campanha, que acontece neste mês, alerta sobre a prevenção e diagnóstico precoce da doença

por Miriam Kaibara 16 out, 2019 10:00Tags
Recomendado para você: Outubro Rosa: Dicas de prevenção ao câncer de mama

Neste mês o movimento do Outubro Rosa alerta sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. A doença é "causada pela multiplicação desordenada de células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor".

E por que a campanha é tão importante? Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o Brasil terá aproximadamente 60 mil novos casos de câncer de mama em 2019. Esse é o tumor mais incidente nas mulheres após o câncer de pele, não melanoma.

De acordo levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia uma em cada 12 mulheres vai receber o dignóstico de câncer de mama até os 90 anos. Dado preocupante, né?

Pensando nisso, nós reunimos os conselhos dos especialistas para a prevenção da doença. Confira:

leia também
Elenco de Meninas Malvadas celebra o 3 de outubro de forma solidária

Segundo o INCA, cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com hábitos saudáveis. São eles:

Praticar atividade física e ter uma alimentação saudável; evitar consumo de bebidas alcoólicas; evitar uso de hormônico sintéticos como a pílula anticoncepcional; e amamentar. É importante ressaltar que não ter amamentado não aumenta os riscos da doença, mas amamentar o máximo de tempo possível é um fator de proteção ao câncer.

Também é muito importante que a mulher tenha o hábito de fazer o autoexame a partir dos 20 anos. "Preferencialmente durante o banho, com movimentos circulares e delicados, a mulher deve examinar as mamas e as axilas e, ao final, espremer os mamilos suavemente para observar a saída eventual de alguma secreção anômala", revela o site do Dr. Drauzio Varella.

Ainda de acordo com o INCA, o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento (exame realizado quando não há sinais nem sintomas suspeitos) seja feita em mulheres entre 50 e 69 anos, a cada dois anos. 

A Mamografia é capaz de identificar alterações suspeitas de câncer antes do surgimento dos sintomas, ou seja, antes que seja possível sentir algo no autoexame. 

Mulheres com alto risco de ter câncer de mama por fatores hereditários, comportamentais ou hormonais, devem conversar com seu médico para saber a melhor conduta a ser adotada.