Astro do k-pop Jung Joon-Young é preso por escândalo sexual

O cantor admitiu nessa quarta-feira, 20, que compartilhou vídeos que secretamente fez enquanto tinha relações sexuais com mulheres
por Corinne Heller | Traduzido Por Miriam Kaibara | 22 mar, 2019 14:23Tags
Jung Joon-Young, K-Pop ScandalsVCG/VCG via Getty Images

O mundo do k-pop enfrenta mais uma polêmica. O cantor e estrela de TV Jung Joon-Young acaba de se envolver em um escândalo. Joon-Young foi preso após ser acusado de ilicitamente compartilhar vídeos sexuais explícitos de mulheres, que foram filmadas sem seu conhecimento e consentimento. 

O artista de 30 anos foi levado em custódia horas depois que ele apareceu na corte em Seoul, Sul da Coreia, onde ele pediu desculpas às vítimas, revelou o CNN. Jung admitiu na quarta-feira, 20, que compartilhou vídeos que ele secretamente fez durante relações sexuais com mulheres e antes da audiência começar, ele disse que cometeu um "crime imperdoável". 

"Eu realmente sinto muito", disse ele em comunicado à imprensa que estava do lado de fora da audiência. "Eu admito todas as acusações contra mim. Eu não contestarei as alegações trazidas pela agência de investigação e eu humildemente aceitarei a decisão da corte. Eu abaixo minha cabeça em desculpas às mulheres que foram vítimas das minhas ações". 

Lee era membro de um grupo de chat online onde vídeos de sexo eram compartilhados e homens tiravam sarro sobre drogar e estuprar mulheres, disse a Reuters sobre a reportagem da SBS. 

leia também
Gravadora do BTS pede para que fãs parem de ir em seu escritório

Outro famoso astro do k-pop que também estaria supostamente participando do grupo é Seungri, integrante do Big Bang. Ele também é suspeito de pagar por prostitutas para empresários estrangeiros para angariar investimentos em seus negócios, disseram alguns veículos.

Ele negou as acusações e também anunciou que está deixando a indústria do entretenimento: "Eu simplesmente não posso suportar causar mais danos às pessoas ao meu redor, sendo odiado e criticado pelo público e sendo tratado como inimigo da nação durante a investigação".

Se eles forem considerados culpados, serão sentenciados a 5 anos de prisão ou enfrentar uma multa de 30 milhões de won (R$ 103 mil).