A luta de Meghan Markle na realeza pelo empoderamento da mulher

A Duquesa de Sussex tem como uma de suas prioridades defender a igualdade de gênero e os direitos das mulheres

por Miriam Kaibara 08 mar, 2019 11:00Tags
Meghan MarkleShutterstock

Meghan Markle, que foi comparada à Princesa Diana por George Clooney, sempre mostrou que uma de suas prioridades na realeza é a luta pelo empoderamento feminino. Como membro da família real britânica, Meghan tem um papel primordial no ativismo em prol das mulheres e é uma importante voz no cenário atual. 

Ter o feminismo como uma causa em sua vida começou bem cedo. Muito antes de conhecer príncipe Harry, Meghan já atuava como embaixadora da ONU Mulheres e em discurso feito em um dos eventos da organização, a atriz de Suits contou que aos 11 anos já tinha consciência da importãncia da igualdade de gêneros. 

Ao se deparar com um comercial de detergente que tinha como slogan: "Mulheres em toda a América lutando contra panelas e frigideiras", Meghan não achou o anúncio nada justo. Então, ainda pré-adolescente decidiu enviar cartas à Hillary Clinton, para a famosa advogada de direitos das mulheres Gloria Allred, para a apresentadora Linda Ellerbee e para a Procter and Gamble, fabricante do detergente. Para sua alegria ela recebeu apoio e resposta de todas e após Linda mostrar o caso na TV, a empresa responsável pelo comercial decidiu mudar o slogan para "Todas as pessoas na América lutando contra panelas e frigideiras". Demais, né?

leia também
Kéfera debate feminismo com homem ao vivo na TV e internet vibra

E para celebrar o Dia Internacional da Mulher comemorado nesta sexta-feira, 8, decidimos reunir algumas das atitudes tomadas por Meghan na realeza em prol do empoderamento feminino. Confira abaixo:

A importância de reconhecer a força de sua voz

Durante fórum do Royal Foundation em março de 2018, a Duquesa lembrou de um equívoco que ocorre quando o assunto é o empoderamento.

"Eu escuto muitas pessoas dizerem quando falamos sobre o empoderamento das garotas, sobre elas encontrarem e terem conhecimento de seu valor, e com o empoderamento das mulheres também. Você ouve frequentemente as pessoas falarem, 'Bem, você está ajudando as mulheres a encontrar suas vozes'. Eu fundalmentalmente discordo com isso porque as mulheres não precisam encontrar uma voz, elas têm uma voz. Elas precisam se sentir empoderadas para usá-la e as pessoas precisam ser encorajadas a escutar", disse ela.

Pool/Samir Hussein/WireImage

Exaltando ativistas que fazem diferença no mundo

Nesta sexta-feira, 8, Meghan vai participar de um painel no Dia Internacional das Mulheres, no King's College, em Londres. Ela estará ao lado de líderes e ativistas feministas como Annie Lennox, a modelo Adwoa AboahJulia Gilard, a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra na Austrália, e as militantes das mulheres imigrantes, Chrissan Jarrett e Angeline Murimirwa

A plateia terá estudantes da faculdade assim como jovens líderes. O painel será comandado por Anne McElvoy, a editora sênior da The Economist. Segundo o Palácio de Kensington todas irão discutir a importância do Dia Internacional da Mulher e os obstáculos enfrentado pelas mulheres ao redor do mundo, incluindo acesso à educação e emprego. 

Chris Jackson/Getty Images

Colocando a mão na massa

Em seu papel na realeza, Meghan decidiu dar voz à causas femininas como o livro de culinária beneficente Together, que tem deliciosas receitas das mulheres da Cozinha Comunitária Hubb, em Londres. A Duquesa aliás escreveu o prefácio da obra e aparece cozinhando em vídeo da divulgação do projeto

"A cozinha vibra com mulheres de todas as idades; mulheres que viveram e viram a vida; rindo, conversando, compartilhando uma xícara de chá e uma história, enquanto as crianças brincam no chão ou são embaladas para dormir em seus carrinhos". Ela aconselha a chegar com o estômago vazio, porque depois, "Você terá enchido as guelras com chamuças salpicadas com canela, chapatis com cenouras e cebola, bolo de sêmola russa, chás persas e a minha receita preferida de abacate que eu faço em casa agora", disse ela.

As mulheres e o mercado de trabalho

Meghan está conquistando cada vez mais espaço na realeza e no ano passado recebeu de Rainha Elizabeth II o título de patrona de 4 intituições. Uma delas é a Smart Works, dedicada totalmente à inserção das mulheres desempregadas e vulneráveis ao mercado de trabalho, resgatando a confiança que precisam para ter sucesso em entrevistas de emprego. A organização também fornece vestimentas apropriadas e treinamento para as entrevistas.

De acordo com o Palácio de Kensington, Meghan visitou a organização várias vezes ao longo do ano passado e se voluntariou com causas que apóiam iniciativas semelhantes, incluindo um programa universitário que oferecia vestidos de formatura para mulheres em áreas menos favorecidas. Ela também defendeu o empoderamento das mulheres durante suas viagens anteriores à Índia e a Ruanda, onde trabalhou para ajudar a mobilizar mulheres em situações difíceis.

Veja abaixo os looks de Meghan Markle em Marrocos: